Basta ouvir aquela antiga canção e pronto: as velhas lembranças da casa da vovó aparecem. Seja a de um jovem de 20 anos ou a de um adulto de 50. Os momentos passados com os avós costumam ser tão marcantes que permanecem na memória por muito tempo. Mas o que atrai tanto a simpatia dos netos com relação a estes coroas supimpas? Por que eles arrebentam a boca do balão?

A relação entre avós e netos gera uma troca interessante, na qual ambos os lados podem aprender muito. Os avós geralmente têm mais tempo livre do que os pais do nenê e podem se dedicar mais. Além disso, como já foram pais, possuem mais experiência ao lidar com os pequenos. Muitos são também mais pacientes e permitem que as crianças façam coisas que não lhe são permitidas em casa, como comer um prato a mais de sobremesa ou dormir um pouco mais tarde. Para o pequeno que está acostumado à sua própria casa e ao seu mundinho, é curioso e divertido estar entre os móveis diferentes na sala do vovô, ver fotografias do tempo em que seus pais eram jovens, ouvir histórias daquela época e conhecer um pouco mais sobre suas raízes. Esta é também uma maneira de descobrir um pouco mais dos hábitos do passado, já que muitos avós guardam brinquedos antigos, contam velhas histórias e cantam canções de algumas décadas que passaram. A maioria dos avós aprecia a companhia dos netos e com eles estabelece uma relação de carinho e amizade. No tempo compartilhado por avós e netos varia muito em cada família. Há desde os pequenos cujos pais trabalham em período integral e por isso são praticamente criados pelos avós como aqueles que só os vêem de anos em anos. Em algumas famílias, as visitas podem ser no fim de semana ou uma vez ao mês, dependendo da distância que os separa. É importante que tanto os avós maternos quanto os paternos tenham a oportunidade de passar algum tempo com a criança e desta forma criar vínculo.

Embora a relação entre avós e netos costume fluir facilmente, nem sempre o mesmo acontece entre os avós e os pais da criança. A diferença de gerações pode levar a visões distintas sobre a educação do bebê, gerando conflitos. No entanto, especialistas costumam ressaltar que o papel educacional deve ser exercido pelos pais, cabendo aos avós dar suporte emocional, ajudar quando necessário e desfrutar de momentos de alegria com a criança. É fundamental que os interesses do pequeno sejam colocados em primeiro plano. Ao surgirem discordâncias, o melhor a fazer é conversar sobre o assunto até que se chegue a uma solução, que nunca deve ser privar os netos do convívio com os avós. Para o bem da criança, a relação entre pais e avós deve ser honesta, sem ciúmes, clara e verdadeira. Além disso, regras e hábitos devem ser compreendidos e respeitados.

No dia 26 de julho comemora-se o Dia dos Avós, instituído a partir do dia de Santa Ana e São Joaquim, pais da Virgem Maria e avós de Jesus Cristo. Embora não haja menção a seus nomes no Evangelho, sua história pode ser encontrada no Proto-Evangelho de Tiago, datado do século II. A ajuda dos avós nos primeiros dias de vida do nenê pode ser inestimável e sempre se pode contar com eles em caso de necessidade. Não importa o tempo que avós e netos compartilhem, certo é que as experiências vividas são lembradas para o resto da vida.